9.13.2006

Índios, bistres, gesso...


Eu comprei uma aquarela Cotman Azul Índigo pra usar de bistre e precisava fazer um desenho. Fiz este desenho do índio rapidinho. Não queria fazer nenhuma obra de arte, era só um teste de tinta. Só que eu acabei gostando do resultado! Tem desenhos que não são feitos pra terminar.
A oca/maloca à direita eu fiz durante uma aula de tintas transparentes. Bem rápida, também. Só que eu usei gesso acrílico de base. Pintei com aquarela e lápis aquarelável.
Eu tenho esta mania de desenhar rápido no esboço pra tentar ser o mais expressivo possível. Qualquer falha ou erro eu posso arrumar nas etapas a seguir. Nestes casos eu acabei pintando o esboço, mesmo, porque gostei do resultado. Só isso.

9 comentários:

André Freitas disse...

Eae Edde,
Já ia perguntar se você não ia postar mais nada... gostei bastante do indio, tá mais legal do que a oca, talvez até pela simplicidade e a monocromia.
Bem legal :)
Abração
Freitas

EDDE WAGNER disse...

Eu também acho, André.
Em se tratando de arte as vezes tem disso, né. Um desenho feito rapidinho, despreocupado, sai mais legal do que outros.
Monocromia é algo que eu adoro, também.
Valeu,

J. Sena disse...

Fala Edde!

Eu acho que você falou em alguma aula sobre estar pesquisando índios pra desenhar e testar algumas coisas. Pelo jeito a pesquisa tem sido boa ein! Ficou muito bom!!!

Mas ahhhhhhhh... eu quero meu professor de arte-final de volta!!!! auahuahauhauhauhauahuahauh Zuera Edde, eu sou fãnzaço de todos seus trabalhos!


Abraço

lelisblogspot disse...

Oi Edde. Bem, analisando friamente, acho que vc só deve se preocupar com os desenhos ditos "rápidos" se eles estiverem sendo feitos para uma publicação, por exemplo. Apesar dos grandes avanços na tecnologia da digitalização e impressão que temos hoje, nem sempre um desenho com as cores tão lavadas como esse que comento, terão um resultado satisfatório na impressão final. Muitas nuances podem se perder nesse processo. Agora, se for para outro fim como exposição ou comercialização do original, a história muda.
Parabéns.
Lelis

Anônimo disse...

Edde, o que é bistre..?

Bruno disse...

É Edde, você tá ficando bom. hehehehe

Vi sua entrevista na PlayTV. Agora o negócio é aproveitar o assédio das fãs. hehe

Ah, meu site tá pronto. Se puder, dá uma olhada:
http://www.ravenom.com

EDDE WAGNER disse...

Resposta para o anônimo:
Aquele índio em tom cinza azulado seria um bistre, a sombra feita antes da cor. Ali eu deixei do jeito que ficou, mesmo.
Esta palavra não deve ter na língua portuguesa. Um amigo meu, Sílvio Brasil, que me apresentou o termo. Mais tarde, em fitas de vídeo italianas, ouvi novamente. E no livro 'Cartas a Theo', de Van Gogh, ele falava que usava o bistre antes de se aventurar pelo impressionismo. Neste período, ele fazia a sombra antes de pintar.
Charles Reed, Kent Williams íntam assim, o que é um método muito antigo, anterior ao impressionismo.
Ufa!

Helio Jr disse...

Olha O Edde dando aula até no blog, hehehehehehehehehehehehehehehehe

Helio Jr disse...

Olha O Edde dando aula até no blog, hehehehehehehehehehehehehehehehe